29 janeiro 2011

Um poema MARGINAL... E lindo!

"olho muito tempo o corpo de um poema"

olho muito tempo o corpo de um poema
até perder de vista o que não seja corpo 
e sentir separado entre os dentes
um filete de sangue
nas gengivas

Ana Cristina Cesar


Esse LINDO poema, é um dos poemas preferidos e como podemos perceber faz parte do lirismo da inovação, onde a autora não se preocupa com o culto de rimas ricas, com a eloqüência, do metro perfeito e convencional, ela coloca-se contra o academicismo. Explico melhor por meio desse poema de Manuel Bandeira:                                           


                                              Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário
O cunho vernáculo de um vocábulo
(...)
Quero o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbados
O lirismo difícil e pungente dos bêbados
O lirismo dos clowns de Shakespeare

Ana Cristina Cruz Cesar foi uma poetisa e tradutora brasileira. É considerada um dos principais nomes da geração mimeógrafo (ou poesia marginal) da década de 1970.
A geração mimeógrafo foi um movimento, ou fenômeno sociocultural brasileiro que ocorreu imediatamente após a Tropicália durante a década de 70, em função da censura imposta pela ditadura militar, que levou intelectuais,professores universitários, poetas e artistas em geral, em todo o país, a buscarem meios alternativos de difusão cultural, notadamente o mimeógrafo, tecnologia mais acessível na época. Da tecnologia mais usada vem o seu nome.


*fonte: wikipedia

Nenhum comentário:

Postar um comentário