31 janeiro 2011

Quoth the raven, "Nevermore"....

      Aqui está um das obras-primas de Allan Poe, um dos clássicos da poesia americana, que futuramente irei fazer uma análise poética, pois é um dos meu hobbys favoritos! Mas por agora deixarei aqui o poema original e a tradução de Fernando Pessoa.
      The Raven  (by Edgar Allan Poe, first published in 1845)
    Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary, Over many a quaint and curious volume of forgotten lore, While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping, As of someone gently rapping, rapping at my chamber door. " 'Tis some visitor," I muttered, "tapping at my chamber door;
    Only this, and nothing more."
    Ah, distinctly I remember, it was in the bleak December, And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor. Eagerly I wished the morrow; vainly I had sought to borrow From my books surcease of sorrow, sorrow for the lost Lenore,. For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore,
    Nameless here forevermore.
    And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain Thrilled me---filled me with fantastic terrors never felt before; So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating, " 'Tis some visitor entreating entrance at my chamber door, Some late visitor entreating entrance at my 
    chamber door.
    This it is, and nothing more."
    Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer, "Sir," said I, "or madam, truly your forgiveness I implore; But the fact is, I was napping, and so gently you came rapping, And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door, That I scarce was sure I heard you." Here I opened wide the door;
    Darkness there, and nothing more.
    Deep into the darkness peering, long I stood there, wondering, fearing Doubting, dreaming dreams no mortals ever dared to dream before; But the silence was unbroken, and the stillness gave no token, And the only word there spoken was the whispered word, Lenore?, This I whispered, and an echo murmured back the word,
    "Lenore!" Merely this, and nothing more.
    Back into the chamber turning, all my soul within me burning, Soon again I heard a tapping, something louder than before, "Surely," said I, "surely, that is something at my window lattice. Let me see, then, what thereat is, and this mystery explore. Let my heart be still a moment, and this mystery explore.
    " 'Tis the wind, and nothing more."
    Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter, In there stepped a stately raven, of the saintly days of yore. Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he; But with mien of lord or lady, perched above my chamber door. Perched upon a bust of Pallas, just above my chamber door,
    Perched, and sat, and nothing more
    Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling, By the grave and stern decorum of the countenance it wore, "Though thy crest be shorn and shaven thou," I said, "art sure no craven, Ghastly, grim, and ancient raven, wandering from the nightly shore. Tell me what the lordly name is on the Night's Plutonian shore."
    Quoth the raven, "Nevermore."
    Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly, Though its answer little meaning, little relevancy bore; For we cannot help agreeing that no living human being Ever yet was blessed with seeing bird above his chamber door, Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,
    With such name as "Nevermore."
    But the raven, sitting lonely on that placid bust, spoke only That one word, as if his soul in that one word he did outpour. Nothing further then he uttered; not a feather then he fluttered; Till I scarcely more than muttered,"Other friends have flown before; On the morrow he will leave me, as my hopes have flown before."
    Then the bird said,"Nevermore."
    Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken, "Doubtless," said I, "what it utters is its only stock and store, Caught from some unhappy master, whom unmerciful disaster Followed fast and followed faster, till his songs one burden bore,--- Till the dirges of his hope that melancholy burden bore
    Of "Never nevermore."
    But the raven still beguiling all my fancy into smiling, Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird and bust and door;, Then, upon the velvet sinking, I betook myself to linking Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore, What this grim, ungainly, ghastly, gaunt, and ominous bird of yore
    Meant in croaking, "Nevermore."
    Thus I sat engaged in guessing, but no syllable expressing To the fowl, whose fiery eyes now burned into my bosom's core; This and more I sat divining, with my head at ease reclining On the cushion's velvet lining that the lamplight gloated o'er, But whose velvet violet lining with the lamplight gloating o'er
    She shall press, ah, nevermore!
    Then, methought, the air grew denser, perfumed from an unseen censer Swung by seraphim whose footfalls tinkled on the tufted floor. "Wretch," I cried, "thy God hath lent thee -- by these angels he hath Sent thee respite---respite and nepenthe from thy memories of Lenore! Quaff, O quaff this kind nepenthe, and forget this lost Lenore!"
    Quoth the raven, "Nevermore!"
    "Prophet!" said I, "thing of evil!--prophet still, if bird or devil! Whether tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore, Desolate, yet all undaunted, on this desert land enchanted-- On this home by horror haunted--tell me truly, I implore: Is there--is there balm in Gilead?--tell me--tell me I implore!"
    Quoth the raven, "Nevermore."
    "Prophet!" said I, "thing of evil--prophet still, if bird or devil! By that heaven that bends above us--by that God we both adore-- Tell this soul with sorrow laden, if, within the distant Aidenn, It shall clasp a sainted maiden, whom the angels name Lenore--- Clasp a rare and radiant maiden, whom the angels name Lenore?
    Quoth the raven, "Nevermore."
    "Be that word our sign of parting, bird or fiend!" I shrieked, upstarting-- "Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore! Leave no black plume as a token of that lie thy soul spoken! Leave my loneliness unbroken! -- quit the bust above my door! Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!"
    Quoth the raven, "Nevermore."
    And the raven, never flitting, still is sitting, still is sitting On the pallid bust of Pallas just above my chamber door; And his eyes have all the seeming of a demon's that is dreaming. And the lamplight o'er him streaming throws his shadow on the floor; And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
    Shall be lifted--- nevermore!

    • O CORVO * (de Edgar Allan Poe, tradução de Fernando Pessoa)
    Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste, Vagos, curiosos tomos de ciências ancestrais, E já quase adormecia, ouvi o que parecia O som de algúem que batia levemente a meus umbrais. "Uma visita", eu me disse, "está batendo a meus umbrais.
    É só isto, e nada mais.
    Ah, que bem disso me lembro! Era no frio dezembro, E o fogo, morrendo negro, urdia sombras desiguais. Como eu qu'ria a madrugada, toda a noite aos livros dada P'ra esquecer (em vão!) a amada, hoje entre hostes celestiais - Essa cujo nome sabem as hostes celestiais,
    Mas sem nome aqui jamais!
    Como, a tremer frio e frouxo, cada reposteiro roxo Me incutia, urdia estranhos terrores nunca antes tais! Mas, a mim mesmo infundido força, eu ia repetindo, "É uma visita pedindo entrada aqui em meus umbrais; Uma visita tardia pede entrada em meus umbrais.
    É só isto, e nada mais".
    E, mais forte num instante, já nem tardo ou hesitante, "Senhor", eu disse, "ou senhora, decerto me desculpais; Mas eu ia adormecendo, quando viestes batendo, Tão levemente batendo, batendo por meus umbrais, Que mal ouvi..." E abri largos, franqueando-os, meus umbrais.
    Noite, noite e nada mais.
    A treva enorme fitando, fiquei perdido receando, Dúbio e tais sonhos sonhando que os ninguém sonhou iguais. Mas a noite era infinita, a paz profunda e maldita, E a única palavra dita foi um nome cheio de ais - Eu o disse, o nome dela, e o eco disse aos meus ais.
    Isso só e nada mais.
    Para dentro então volvendo, toda a alma em mim ardendo, Não tardou que ouvisse novo som batendo mais e mais. "Por certo", disse eu, "aquela bulha é na minha janela. Vamos ver o que está nela, e o que são estes sinais." Meu coração se distraía pesquisando estes sinais.
    "É o vento, e nada mais."
    Abri então a vidraça, e eis que, com muita negaça, Entrou grave e nobre um corvo dos bons tempos ancestrais. Não fez nenhum cumprimento, não parou nem um momento, Mas com ar solene e lento pousou sobre os meus umbrais, Num alvo busto de Atena que há por sobre meus umbrais,
    Foi, pousou, e nada mais.
    E esta ave estranha e escura fez sorrir minha amargura Com o solene decoro de seus ares rituais. "Tens o aspecto tosquiado", disse eu, "mas de nobre e ousado, Ó velho corvo emigrado lá das trevas infernais! Dize-me qual o teu nome lá nas trevas infernais."
    Disse o corvo, "Nunca mais".
    Pasmei de ouvir este raro pássaro falar tão claro, Inda que pouco sentido tivessem palavras tais. Mas deve ser concedido que ninguém terá havido Que uma ave tenha tido pousada nos meus umbrais, Ave ou bicho sobre o busto que há por sobre seus umbrais,
    Com o nome "Nunca mais".
    Mas o corvo, sobre o busto, nada mais dissera, augusto, Que essa frase, qual se nela a alma lhe ficasse em ais. Nem mais voz nem movimento fez, e eu, em meu pensamento Perdido, murmurei lento, "Amigo, sonhos - mortais Todos - todos já se foram. Amanhã também te vais".
    Disse o corvo, "Nunca mais".
    A alma súbito movida por frase tão bem cabida, "Por certo", disse eu, "são estas vozes usuais, Aprendeu-as de algum dono, que a desgraça e o abandono Seguiram até que o entono da alma se quebrou em ais, E o bordão de desesp'rança de seu canto cheio de ais
    Era este "Nunca mais".
    Mas, fazendo inda a ave escura sorrir a minha amargura, Sentei-me defronte dela, do alvo busto e meus umbrais; E, enterrado na cadeira, pensei de muita maneira Que qu'ria esta ave agoureia dos maus tempos ancestrais, Esta ave negra e agoureira dos maus tempos ancestrais,
    Com aquele "Nunca mais".
    Comigo isto discorrendo, mas nem sílaba dizendo À ave que na minha alma cravava os olhos fatais, Isto e mais ia cismando, a cabeça reclinando No veludo onde a luz punha vagas sobras desiguais, Naquele veludo onde ela, entre as sobras desiguais,
    Reclinar-se-á nunca mais!
    Fez-se então o ar mais denso, como cheio dum incenso Que anjos dessem, cujos leves passos soam musicais. "Maldito!", a mim disse, "deu-te Deus, por anjos concedeu-te O esquecimento; valeu-te. Toma-o, esquece, com teus ais, O nome da que não esqueces, e que faz esses teus ais!"
    Disse o corvo, "Nunca mais".
    "Profeta", disse eu, "profeta - ou demônio ou ave preta! Fosse diabo ou tempestade quem te trouxe a meus umbrais, A este luto e este degredo, a esta noite e este segredo, A esta casa de ância e medo, dize a esta alma a quem atrais Se há um bálsamo longínquo para esta alma a quem atrais!
    Disse o corvo, "Nunca mais".
    "Profeta", disse eu, "profeta - ou demônio ou ave preta! Pelo Deus ante quem ambos somos fracos e mortais. Dize a esta alma entristecida se no Éden de outra vida Verá essa hoje perdida entre hostes celestiais, Essa cujo nome sabem as hostes celestiais!"
    Disse o corvo, "Nunca mais".
    "Que esse grito nos aparte, ave ou diabo!", eu disse. "Parte! Torna á noite e à tempestade! Torna às trevas infernais! Não deixes pena que ateste a mentira que disseste! Minha solidão me reste! Tira-te de meus umbrais! Tira o vulto de meu peito e a sombra de meus umbrais!"
    Disse o corvo, "Nunca mais".
    E o corvo, na noite infinda, está ainda, está ainda No alvo busto de Atena que há por sobre os meus umbrais. Seu olhar tem a medonha cor de um demônio que sonha, E a luz lança-lhe a tristonha sombra no chão há mais e mais,
                    Libertar-se-á... nunca mais!

29 janeiro 2011

Um poema MARGINAL... E lindo!

"olho muito tempo o corpo de um poema"

olho muito tempo o corpo de um poema
até perder de vista o que não seja corpo 
e sentir separado entre os dentes
um filete de sangue
nas gengivas

Ana Cristina Cesar


Esse LINDO poema, é um dos poemas preferidos e como podemos perceber faz parte do lirismo da inovação, onde a autora não se preocupa com o culto de rimas ricas, com a eloqüência, do metro perfeito e convencional, ela coloca-se contra o academicismo. Explico melhor por meio desse poema de Manuel Bandeira:                                           


                                              Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário
O cunho vernáculo de um vocábulo
(...)
Quero o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbados
O lirismo difícil e pungente dos bêbados
O lirismo dos clowns de Shakespeare

Ana Cristina Cruz Cesar foi uma poetisa e tradutora brasileira. É considerada um dos principais nomes da geração mimeógrafo (ou poesia marginal) da década de 1970.
A geração mimeógrafo foi um movimento, ou fenômeno sociocultural brasileiro que ocorreu imediatamente após a Tropicália durante a década de 70, em função da censura imposta pela ditadura militar, que levou intelectuais,professores universitários, poetas e artistas em geral, em todo o país, a buscarem meios alternativos de difusão cultural, notadamente o mimeógrafo, tecnologia mais acessível na época. Da tecnologia mais usada vem o seu nome.


*fonte: wikipedia

28 janeiro 2011

SPFW

É hoje que começa a semana de moda de São Paulo, mas não gosto de postar nada sobre o assunto porque há muitas informações por aí e não gosto muito dessa coisa "badalada" de passarela. Mas eu gosto muito do evento, acompanho todo ano e esse ano não será diferente, então resolvi postar o calendário dos desfiles, e quem sabe um dia estarei lá! Para conferir o line-up no site oficial do evento, basta clicar no link logo abaixo.
                                                           Line-up SPFW


26 janeiro 2011

Sobre Xerin!

Xerin é uma menina muito linda e inteligente. Ela adora moda e animais, sempre fica na internet olhando o twitter, também adora inglês e estuda letras com habilitação em inglês, na Universidade Federal de Mato Grosso. Xerin possui também um blog de moda, onde posta notícias sobre o assunto, tem dois gatos, um chamado Preto(que ela chama de Peti) e outro, é uma gatinha chamada de Gabiruzinha.
Ela é uma gracinha desvairada e linda.
Te amo Xerin!!

 
                                             Ela Jaque e Nara

Ela e a prima-irmã dela Isabela

                                                                       Ela na faculdade

                                                                                                   Cansaaados!!!

                                                                               Nossas amigas uruguachas

                                                                                                Nossa neném linda!

:p

                                                                                        Estádio do Atlético PR

                                                                                   Ela e Peti ainda bebê

                                                               Ela e Pulga que foi embora :(

                                                                             :)

                                                                             Bagunçando em Brasília

        Praia dos Ingleses, Floripa :)
                                                    Ela e nosso amigo Douglas

                                     Nossa ETERNA bibizinha... :)

Quem gostou desse post, falando um pouco da criadora desse blog é só comentar, abraços!

24 janeiro 2011

A praticidade da t-shirt dress!

Gente, a t-shirt dress (blusa-vestido) é uma peça democrática; confortável - o que mais prezo- e pode ser usado em todas as ocasiões. É um dos hits dos desfiles de Londres, e aqui vai alguns modelos e um vídeo dando dicas de como usar:










19 janeiro 2011

Manuel de Barros, o meu menino - e cuiabano- do mato.


A maior riqueza do homem
é a sua incompletude.
Nesse ponto sou abastado.
Palavras que me aceitam como
sou - eu não aceito.
Não agüento ser apenas um
sujeito que abre
portas, que puxa válvulas,
que olha o relógio, que
compra pão às 6 horas da tarde,
que vai lá fora,
que aponta lápis,
que vê a uva etc. etc.
Perdoai
Mas eu preciso ser Outros.
Eu penso renovar o homem
usando borboletas."
Manoel de Barros

Manoel Wenceslau Leite de Barros (Cuiabá, 19 de dezembro de 1916) é um poeta brasileiro do século XX, pertencente, cronologicamente à Geração de 45, mas formalmente ao Modernismo brasileiro, se situando mais próximo das vanguardas européias do início do século e da Poesia Pau-Brasil e da Antropofagiade Oswald de Andrade. Recebeu vários prêmios literários, entre eles, dois Prêmios Jabutis. É o mais aclamado poeta brasileiro da contemporaneidade nos meios literários. Enquanto ainda escrevia, Carlos Drummond de Andrade recusou o epíteto de maior poeta vivo do Brasil em favor de Manoel de Barros 
Segue aqui alguns links onde vocês podem conferir alguns trabalhos desse poeta matogrossense que tenho orgulho - todo brasileiro deveria ter também :) 
Manoel de Barros na wikipedia
Manoel de Barros em releituras
Manoel de Barros no pensador

18 janeiro 2011

Ensaio Pin Up do site Moda Brasil







Fotos: Edgar Sampaio
Modelos: Desirée Oliveira e Amando Maragoli
Maquiagem: Vicky / Cabelo: Julinho Santana
Fonte: Moda Brasil

17 janeiro 2011

NYC Fashion in Action

NYC Fashion in Action

MODA de rua gente, tudo de mais puro. Nada de modelos na passarela, aquela coisarada toda. Moda essência. Adoro a moda de NY, um mix de coisas que vira algo tão peculiar!  Pra ver é só clicar no link vermelhinho acima.

15 janeiro 2011

Lábios coloridos

Cores! Na boca! Agora as cores (da mais viva a mais nude) foram parar não só nos olhos, mas na boca também. Em Florianópolis passei um batom azul clarinho e achei muuuito lindo, exige atitude e ousadia, pois as pessoas olham - e muito. Mas isso é o de menos, pra quem gosta ou quem quer ousar um pouco, dar um tom divertido a sua face e esbanjar alegria, tem muitas opções de cores por aí, algumas marcas já estão com esses produtos nas lojas, como a Contem 1g e a Natura, além de outras marcas por aí. Como é bastante chamativo, pra usar esse tipo de batom é necessário um pouco de cautela, nada de exagerar nos olhos ou nas maçãs do rosto, além de uma boa preparação dos lábios para receber o batom. Dê uma olhadinha nas cores abaixo:









Homens e de curtíssimo!


Entre os modelos tradicionais de shorts e bermudas, os que mais se destacaram foram os modelos curtos, que aparecem um pouco acima dos joelhos na Primavera Verão 2010 2011. 


 Essa tendência no vestuário masculino já foi ditada a um tempo atrás, mas como tudo no mundo da moda necessita de tempo para adaptação, eu mesma já vi vários homens usando em Curitiba e Cuiabá por exemplo, sem falar que em outras grandes cidades, acredito que já tenha se tornado comum.



O short curto, como tenho observado, não tem muitas restrições; combina com vários tipos de calçados, além de poder ser usado em diversas ocasiões, dia, noite e até mesmo em ocasiões formais fazendo combinações com blasers e camisas.






A moda masculina tá democrática, basta sair de casa com bom senso e observar a peça com várias combinações e usar a que mais se adequar com a ocasião, de acordo com o gosto pessoal. Homens, tratem de usar porque é super interessante!

14 janeiro 2011

Sorteio da camiseta no twitter

Olá, resolvi sortear uma camiseta no twitter, mas ainda não está definido o desenho, nem o modelo, pois não se sabe o sexo da pessoa, é claro. Quem estiver afim é só me seguir ( @HelenitaAraujo) e dar RT nos tweets que informarem a promoção! Boa sorte! Qualquer dúvida aqui: helen.a_t-shirts@hotmail.com


*Se o ganhador se localizar em outro estado, o frete ficará por conta do mesmo

10 janeiro 2011

Moda essência


O twitter me guia em muitas situações, pensando nisso, acredito que seria muito importante se eu divulgasse alguns twitters de gente que faz moda e moda interessante. Quando eu digo moda interessante, escrevo do fundo de minha alma "moda e sociedade" - grifado várias vezes por sinal- pois uma das minhas preocupações é essa moda, que ao meu ver, parece um pouco inacessível a todos os públicos. Acho algo totalmente desmotivador um segmento de arte tão importante, que vem do povo pra passarela, não ser acessível ao seu "real" público alvo, o povo.
Visitei algumas livrarias nos estados em que passei minhas férias e pude folhear algumas revistas de moda, nacionais e internacionais, me deparei com algumas fotos de passarela e quase nenhum texto, nada que fizesse referência a uma informação mais completa, pois acredito que é necessário, principalmente pra quem estuda Moda. Achei muito pouco, escasso, inacessível, incompreensível. 
Concordo que uma imagem vale mais que mil palavras e compreendo que as tais revistas não foram produzidas voltadas para um público amador, mas a moda hoje em dia está tão voltada SOMENTE para esse público, que eu sinto que ela esta dentro de uma espécie de redoma de vidro, nada acessível, somente pra quem está lá dentro. Não acho justo, mas enfim, essas coisas englobam grandes sistemas e o pouco que faço e digo, faz muita diferença pra mim e para meus leitores que curtem o que escrevo!
Como prometido, abaixo desse texto estará alguns links de twitters que abordam o conceito de moda voltada  pra sociedade, e pra outras artes. Com o twitter descobri gente que fala de moda de várias formas e espero que gostem!


Moda em poesiaTwo sisters, Anelise Bonaccorsi and Ana Claudia Bonaccorsi Dutra join to describe their view of fashion, news or just poetry.

O que o povão usaPernambuco, Brasil
Blog de moda de rua sobre a massa que não lê Vogue e se veste de acordo com as condições. Por Douglas Carlos.
Moda para homensTwitter do blog Moda Para Homens.

Pensando em moda - Referências para sua pesquisa. Alimento para sua curiosidade. Gatilhos para sua inspiração.

Dicas de moda - Porto Alegre / RS
Dicas de moda e beleza para mulheres reais e com poucos reais - blogdicasdemoda@gmail.com

Jardin fashion - Belo Horizonte,MG - Brasil
Com estilo assinado por Bhárbara Renault a Jardin cria uma moda casual chique e ao mesmo tempo versátil que se encaixa nos diversos papéis da mulher atual.

FFWTV // FFW Fashion Forward

FFWTV // FFW Fashion Forward